Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados do Exército de Libertação Popular da China passam por rua atingida pelo tufão Hato, em Macau 25/08/2017 REUTERS/Tyrone Siu

(reuters_tickers)

Por Venus Wu e Farah Master

MACAU (Reuters) - O Exército de Libertação Popular da China foi mobilizado nas ruas de Macau nesta sexta-feira para ajudar com a limpeza depois da passagem de um tufão devastador, e em meio a críticas crescentes de que as autoridades locais não estavam preparadas para a gravidade da tempestade.

A emissora estatal TDM disse que cerca de 1 mil soldados do Exército chinês deixaram seu quartel-general de Macau para auxiliar na recuperação, em uma rada presença nas ruas do ex- território português.

Vestidos com fardas e bonés, alguns usaram pás para remover pilhas de destroços em espaços públicos, incluindo móveis, sofás e televisões destruídos, enquanto procissões de caminhões militares verdes passavam pelas ruas.

O líder de Macau, Fernando Chui, pediu o envolvimento do Exército chinês depois que o Hato, um tufão de categoria máxima 10, atingiu o maior polo de jogos de azar do mundo.

Pela lei local, a assistência de tropas chinesas pode ser solicitada para tais propósitos humanitários.

O saldo de mortes do Hato é de nove pessoas, mas dezenas estão desaparecidas.

O Hato, que teve ventos arrasadores de mais de 200 km/h, foi a pior tempestade a assolar Macau desde 1968, causando blecautes em quase toda a cidade, enchentes, interrompendo o fornecimento de água, esmagando dezenas de veículos e danificando edifícios.

"Isso é horrível, horrível. Vivemos como refugiados", disse um morador de cerca de 60 anos de sobrenome Yeung.

O observatório climático de Hong Kong disse haver indícios de que outra tempestade, que está se formando perto das Filipinas, pode se abater sobre o sul da China nos próximos dias, embora não se espere que seja tão forte quanto o Hato.

Macau vem se transformando rapidamente desde que Portugal a devolveu ao controle chinês em 1999 e o território se tornou um polo de jogos de azar maior do que Las Vegas, atraindo grandes cassinos dos Estados Unidos.

Apesar da chegada dos cassinos, a maior parte da infraestrutura não tem acompanhado o ritmo de seu desenvolvimento.

(Reportagem adicional de Donny Kwok)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters