Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem limpa loja atingida pelo tufão Hato, em Macau 24/08/2017 REUTERS/Tyrone Siu

(reuters_tickers)

Por Tyrone Siu e Farah Master

MACAU/HONG KONG (Reuters) - Em meio a caos e confusão, Macau tentava se recuperar nesta quinta-feira da passagem de um dos tufões mais fortes já registrados no território, que matou ao menos nove pessoas e deixou mais da metade da cidade sem água e energia, obrigando os famosos cassinos a recorrer a geradores.

Agentes de resgate procuravam pessoas presas em carros submersos no ex-território português, e os já sobrecarregados serviços de emergência lutavam para responder aos chamados da crise.

Muitos moradores e turistas se queixaram de que o governo estava despreparado para o tufão Hato e seus ventos arrasadores de mais de 200 km/h.

A emissora estatal TDM de Macau disse que o Hato, uma tempestade de categoria máxima 10, foi o mais intenso a atingir o maior polo de jogos de azar do mundo e lar de cerca de 600 mil pessoas desde 1968.

"A cidade parece ter passado por uma guerra", disse um servidor público, que não quis se identificar por não estar autorizado a falar à mídia.

Na quarta-feira o Hato chegou ao polo financeiro vizinho de Hong Kong, arrancando árvores, alagando ruas, forçando o cancelamento de centenas de voos e suspendendo as negociações nas bolsas de valores.

Houve relatos de 34 feridos em Hong Kong, que não era assolada por um tufão de categoria 10 há cinco anos.

Devido à intensificação do Hato, a certa altura Hong Kong emitiu um alerta de tempestade de categoria 8 e disse que provavelmente ele ficaria mais forte, mas o governo de Macau só emitiu um alerta de tufão de categoria 3.

"Estou chocada com o aviso tardio e o despreparo com que esta supertempestade foi tratada. Os moradores estão em risco e incapazes de avaliar se a ajuda está a caminho", disse Ashley Sutherland-Winch, consultora de marketing de Macau.

Partes do exterior dos edifícios, inclusive de cassinos de bilhões de dólares, foram arrancadas pelos ventos poderosos do Hato.

Imagens em vídeo feitas por residentes de Macau e enviadas à Reuters mostraram um homem lutando para manter a cabeça fora da água em um estacionamento cercado de destroços. Outro vídeo mostrou um caminhão grande tombando e pedestres arrastados pelas calçadas. A Reuters não conseguiu verificar as filmagens de forma independente.

O Hato foi rebaixado a tempestade tropical nesta quinta-feira e está cerca de 680 quilômetros a oeste de Hong Kong. A expectativa é que ele enfraqueça mais mas à medida que segue terra adentro sobre a China.

(Reportagem adicional de Anne Marie Roantree, em Hong Kong, e Andrew Galbraith, em Xangai)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters