Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente francês, Emmanuel Macron 17/04/2018 REUTERS/Vincent Kessler - RC1EE85B72A0

(reuters_tickers)

Por Alastair Macdonald

ESTRASBURGO (Reuters) - O presidente da França, Emmanuel Macron, fez um apelo aos europeus nesta terça-feira para que não busquem refúgio no nacionalismo, mas fortaleçam a União Europeia como um bastião da democracia liberal contra um mundo desordenado e perigoso.

Em discurso ao Parlamento Europeu na cidade francesa de Estrasburgo, o chefe de Estado de 40 anos foi aplaudido de pé pela maioria dos parlamentares depois de repudiar a ascensão de "democracias nada liberais" mesmo dentro da UE.

Parlamentares nacionalistas franceses, britânicos e de outras partes, porém, fizeram silêncio.

"Diante do autoritarismo, a resposta não é uma democracia autoritária, mas a autoridade da democracia", disse Macron em uma referência direta ao recém-reeleito primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, e ao partido governista da Polônia.

Um "nacionalismo egoísta" está ganhando terreno, alertou Macron em referência a um clima de "guerra civil" na Europa. Mas é ilusão, argumentou, dizer que a volta da soberania nacional à custa de poderes compartilhados na UE proporcionaria a tranquilidade que os eleitores desejam em um mundo de potências autoritárias, em uma alusão aparente a nações como Rússia ou China, e de multinacionais poderosas.

Conclamando outros líderes do bloco a seguirem seu exemplo iniciando um diálogo público sobre o futuro da Europa, Macron disse que a UE exige reformas que fortaleçam o que chamou de "soberania europeia" no mundo.

A pouco mais de um ano das próximas eleições para o Parlamento Europeu, ele lamentou o fato de que menos da metade dos cidadãos do bloco se deu ao trabalho de votar em eleições anteriores.

Macron percorreu uma lista de itens para uma integração maior da UE no momento em que o Reino Unido, cético há tempos da união, se prepara para se desfiliar em março do próximo ano -- entre eles uma nova taxação dos negócios digitais, mais apoio aos refugiados, uma cooperação maior na defesa e uma abordagem comum mais robusta na administração da moeda única.

Quanto ao euro, ele terá uma batalha árdua para convencer seus aliados cruciais da Alemanha, onde os apoiadores conservadores da chanceler Angela Merkel estão repelindo a ideia de dar mais poderes a Bruxelas, o que poderia onerar os contribuintes alemães.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, discursou depois de Macron e desaconselhou um foco muito grande na parceria ou "motor" franco-alemão no cerne do projeto da UE, lembrando que após a desfiliação britânica ainda haverá 27 países-membros no bloco, mas elogiou o líder francês por privilegiar o fortalecimento da união na pauta política de seu país.

(Reportagem adicional de Michel Rose, em Paris)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters