Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da França, Emmanuel Macron, durante coletiva de imprensa conjunta com primeiro-ministro da Bulgária, Boyko Borissov, perto de Varna 25/08/2017 REUTERS/Stoyan Nenov

(reuters_tickers)

Por Tsvetelia Tsolova

VARNA, Bulgária (Reuters) - O presidente da França, Emmanuel Macron, disse nesta sexta-feira que a Polônia está se isolando da Europa e que os cidadãos poloneses "merecem mais" do que a recusa de seu governo em se comprometer com as leis europeias sobre o emprego de mão de obra de países de baixa remuneração.

Macron disse que Varsóvia, onde um governo nacionalista e eurocéptico está no poder desde 2015, está se movendo na direção oposta da Europa em diversas questões e que não será capaz de determinar o caminho futuro da Europa.

"A Europa é uma região criada com base em valores, uma relação com a democracia e liberdades públicas, com os quais a Polônia está, hoje, em conflito", disse Macron, na terceira parada de uma viagem à Europa Central para ganhar apoio para sua visão de uma União Europeia reformulada.

O líder francês descreveu a recusa da Polônia em mudar seu posicionamento sobre a revisão da diretriz de trabalhadores "destacados" do bloco, o que o líder francês diz que leva a um "dumping social e concorrência desleal", como um erro.

Em um ataque que pode arrastar as relações entre as potências europeias ocidentais e a Comissão Europeia em Bruxelas de um lado, e a Polônia do outro a um novo mínimo, Macron disse que o povo polonês merece mais.

"A Polônia não está definindo o futuro da Europa hoje, nem vai definir a Europa de amanhã", disse Macron em uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente da Bulgária, Rumen Radev, na cidade de Varna.

(Reportagem de Tsevetelia Tsolova em Varna e Sudip Kar-Gupta em Paris)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters