Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cartazes de Marine Le Pen e Emmanuel Macron em Paris 10/4/2017 REUTERS/Gonzalo Fuentes

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - O candidato de centro Emmanuel Macron aparece com leve vantagem sobre Marine Le Pen, de extrema-direita, nas intenções de voto para o primeiro turno da eleição presidencial francesa, e a distância dos dois aumentou sobre o conservador François Fillon e Jean-Luc Mélenchon, de extrema-esquerda, mostrou uma pesquisa nesta segunda-feira.

A pesquisa Elabe para a revista L'Express mostrou Macron com 24 por cento dos votos no próximo domingo, ante 23,5 por cento do último levantamento realizado há uma semana.

O desempenho de Le Pen também melhorou levemente, passando para 23 por cento, ante 22,5 por cento.

Se os números se confirmarem, os dois se enfrentarão no segundo turno, em 7 de maio, com vitória de Macron por 62 por cento a 38 por cento.

Fillon e Mélenchon, que se aproximaram dos líderes nas últimas pesquisas, registraram uma leve queda em seus números.

A pesquisa mostrou Fillon com 19,5 por cento no próximo domingo, ante 20 por cento na semana passada, sua melhor marca desde que foi atingido em fevereiro por alegações de ter pago familiares com recursos estatais por um trabalho que não realizaram.

Mélenchon, que teve ganhos sólidos ao longo do último mês depois de ter se saído bem nos debates na TV, viu seu desempenho recuar levemente para 18 por cento, ante 18,5 por cento.

Uma outra pesquisa divulgada nesta segunda-feira, a Opinionway, mostrou empate entre Macron e Le Pen com 22 por cento cada, seguidos por Fillon com 21 por cento e Mélenchon com 18 por cento. Neste levantamento, Macron derrota Le Pen por 64 a 36 por cento no segundo turno.

(Reportagem de Leigh Thomas)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters