Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente francês, Emmanuel Macron, discursa durante encontro com embaixadores no Palácio do Eliseu, em Paris 29/08/2017 REUTERS/Yoan Valat/Pool

(reuters_tickers)

Por John Irish e Marine Pennetier

PARIS (Reuters) - O presidente francês Emmanuel Macron afirmou na terça-feira que garantir a segurança nacional estaria no centro da atividade diplomática francesa e estabeleceu erradicar o "terrorismo islâmico" como a principal meta de sua política externa.

Seguindo uma política baseada largamente em interesses ideológicos, a França tem sido rápida nos últimos anos em intervir militarmente em conflitos tais como os da Líbia, Mali e República Centro-Africana.

Em seu primeiro discurso anual aos 170 embaixadores da França, Macron confirmou uma mudança já notável - prometendo focar em iniciativas que pudessem trazer resultados concretos, tais como intermediar negociações de paz na Líbia e liderar esforços para enfrentar a crise de imigração da Europa.

"Eu quero que a França proponha soluções e iniciativas quando surgirem novas crises", disse ele. "O combate contra o terrorismo islâmico é a prioridade da política externa francesa. A segurança da França é o principal objetivo de nossa diplomacia."

As intervenções francesas na África e no Oriente Médio expuseram o país à ataques por militantes islâmicos.

Homens armados e homens-bomba mataram 130 pessoas dentro e ao redor de Paris em novembro de 2015 e mais de 100 pessoas foram mortas em outros ataques islâmicos na França nos últimos dois anos e meio.

Desde que assumiu o cargo em maio, Macron buscou melhorar os laços com a Rússia após dificuldades entre Moscou e Paris sob a última administração. Ele também tentou manter vivo o diálogo com o presidente norte-americano Donald Trump, cuja liderança pouco ortodoxa irritou alguns de seus aliados mais próximos.

Isso alinhou amplamente a política externa de Macron com as prioridades norte-americanas de atacar o terrorismo, enquanto abre uma janela de diálogo com a Rússia em temas como a Síria e a Ucrânia.

Macron afirmou querer transparência total por parte de Estados do Golfo Árabe sobre redes de financiamento do terrorismo. Ele alertou, porém, em mensagem velada à Trump, que tomar lados em meio às tensões entre a Arábia Saudita, conduzida por sunitas, e o rival xiita Irã poderia ter consequências devastadoras para a região.

"Nós não deveríamos escolher um lado ou outro. Outras grandes potências o fizeram", disse Macron.

Ele repetiu sua opinião de que não há alternativa para o "bom" acordo de 2015 entre o Irã e um grupo de potências mundiais que visa frear o programa nuclear iraniano, o qual os Estados Unidos estão revisando.

"No contexto que estamos vivendo, o acordo de 2015 é o que nos permite estabelecer um diálogo construtivo e exigente com o Irã", disse.

(Reportagem adicional de Michel Rose)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters