Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da França, Emmanuel Macron, e presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante coletiva de imprensa conjunta no Palácio do Eliseu, em Paris 13/07/2017 REUTERS/Gonzalo Fuentes

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Após um aperto de mãos vigoroso em maio que o presidente da França, Emmanuel Macron, descreveu como um "momento da verdade" para Donald Trump, o francês deu as boas-vindas ao presidente dos Estados Unidos à França nesta quinta-feira com sorrisos e uma mão pousada suavemente no ombro.

Se o aperto de mãos em Bruxelas, seguido no dia posterior por um gesto de afastamento de Macron em relação a Trump em um alinhamento de líderes, definiu o início incômodo da relação, a acolhida desta quinta-feira foi concebida para mostrar uma nova química.

"Emmanuel, bom vê-lo. Isto é lindo", disse o norte-americano com entusiasmo ao sair de sua limusine e contemplar o pavimento antigo da Praça dos Inválidos, no centro de Paris.

Seria de se imaginar que os dois homens têm pouco em comum. Trump, de 71 anos, é um antiglobalista eleito com a promessa de "tornar a América grande novamente" e imprevisível na política externa. Macron, de 39 anos, é um integracionista europeu ardoroso mais de três décadas mais jovem.

Durante a visita de Trump, porém, os dois procurarão encontrar um meio termo nas frentes diplomática e militar. Ambos têm interesse político em construir uma boa relação.

Depois de saudar Macron, Trump se voltou para a esposa dele, Brigitte, ensaiando um aperto de mãos e depois segurando-a pelos ombros e lhe oferecendo um beijo no rosto.

Mais tarde os dois presidentes, de mãos dadas com as esposas, percorreram a cripta ornamentada do complexo militar do século 17 onde Napoleão está enterrado.

         (Por Michel Rose)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters