Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Madonna e o filho David Ritchie na cerimônia do Grammy em Los Angeles. 26/01/2014 REUTERS/Danny Moloshok

(reuters_tickers)

LILONGUE (Reuters) - A estrela norte-americana da música pop Madonna negou nesta quarta-feira que tenha ido ao Malaui para adotar mais duas crianças, dizendo que a visita era estritamente para trabalho de caridade no país africano.

"Eu estou no Malaui para ver o hospital das crianças em Blantyre e o meu outro trabalho com Raising Malaui, e depois vou para casa”, disse Madonna à revista People, em comunicado.

“Os rumores de um processo de adoção não são verdadeiros”, acrescentou.

A cantora divulgou o comunicado depois que Mlenga Mvula, porta-voz da Justiça do Malaui, disse à Reuters e a outros meios de comunicação que Madonna havia “preenchido um formulário manifestando interesse em adotar mais duas crianças do Malaui”.

"Como tribunal, nós adiamos o assunto para uma decisão (nas próximas duas semanas). O tribunal vai garantir a ordem de adoção, ou não”, disse Mvula.

Mvula não deu detalhes sobre as crianças que Madonna gostaria de adotar, dizendo ser contra a lei divulgar essas informações neste estágio.

Alguns no Malaui se opuseram a adoções anteriores, acusando o governo de permitir que Madonna não seguisse as leis que proíbem os que não são moradores do país de adotar crianças.

Madonna, de 58 anos, adotou as crianças David Banda e Mercy James em 2006 e 2009. A estrela tem dois outros filhos, Lourdes e Rocco.

Madonna montou a organização sem fins lucrativos Raising Malaui em 2006 para fornecer programas de saúde e educação, particularmente para meninas.

A organização constrói no momento uma unidade infantil num hospital e já construiu dez escolas, segundo seu site.

Reuters