Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeiras da Espanha e da Catalunha em um prédio de Barcelona 14/10/2017 REUTERS/Gonzalo Fuentes

(reuters_tickers)

Por Julien Toyer e Sam Edwards

MADRI/BARCELONA (Reuters) - As autoridades da Catalunha precisam desistir de sua iniciativa independentista até quinta-feira, afirmou o governo da Espanha, chegando mais perto de impor um controle direto sobre a região depois que seu líder não cumpriu um prazo inicial estabelecido por Madri para recuar.

Em um confronto visto com preocupação crescente pelas capitais e mercados europeus, até esta segunda-feira Carles Puigdemont não havia respondido a um ultimato de Madri e esclarecido se de fato declarou a independência.

Segundo a emissora catalã TV3, citando fontes, Puigdemont não irá responder ao novo ultimato.

Mergulhando o país em sua pior crise política desde um golpe militar fracassado em 1981, os eleitores catalães apoiaram um referendo que o Tribunal Constitucional espanhol considerou ilegal.

Com base na votação, Puigdemont fez uma declaração de independência simbólica na terça-feira, mas imediatamente a suspendeu e pediu para negociar o futuro da região com Madri.

O governo espanhol havia lhe dado até as 10h locais desta segunda-feira para esclarecer sua posição quanto à independência com um "sim" ou "não", e até quinta-feira para mudar de ideia se insistisse na separação, dizendo que suspenderá a autonomia da Catalunha se ele escolher a secessão.

Após o vencimento do prazo, a vice-primeira-ministra espanhola, Soraya Sáenz de Santamaría, disse que ele não respondeu à pergunta e que tem até a quinta-feira para fazê-lo.

"O senhor Puigdemont ainda tem a oportunidade de começar a resolver esta situação, ele precisa responder 'sim' ou 'não' à declaração", afirmou.

Em uma carta ao premiê espanhol, Mariano Rajoy, tornada pública nesta segunda-feira, Puigdemont não respondeu diretamente sobre a questão independentista, fazendo ao invés disso uma oferta "sincera e honesta" de diálogo entre os dois líderes ao longo dos próximos dois meses.

Em resposta, Rajoy disse que a postura de Puigdemont deixou Madri mais perto de acionar o artigo 155 da Constituição, mediante o qual pode impor o controle direto sobre qualquer uma das 17 comunidades autônomas do país se estas violarem a lei.

Insinuando que Puigdemont e sua equipe continuam indispostos a seguir o plano de jogo de Rajoy, o ministro do Interior catalão, Joaquim Forn, afirmou que o artigo 155 não permite a Madri afastar membros do governo da Catalunha.

Autoridades da União Europeia continuam temerosas de que o impasse crescente entre Madri e Barcelona encoraje iniciativas independentistas em outras partes do bloco.

(Reportagem adicional de Raquel Castillo)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters