Reuters internacional

Manifestantes em protesto contra o governo do presidente Nicolás Maduro, em Caracas, Venezuela. 11/04/2017 REUTERS/Christian Veron

(reuters_tickers)

Por Maria Ramirez e Alexandra Ulmer

SAN FÉLIX, Venezuela/CARACAS (Reuters) - Venezuelanos revoltados atiraram objetos contra o presidente do país, Nicolás Maduro, durante um evento ocorrido na terça-feira, e os protestos contra o líder de esquerda só aumentam em meio a uma crise econômica brutal e ao que críticos dizem ser uma guinada rumo a uma ditadura.

Imagens da televisão estatal mostraram uma multidão cercando o veículo em que Maduro acenava de pé em despedida ao final de um evento militar em San Félix, em Bolívar, Estado do sudeste da Venezuela. Algumas pessoas atiraram objetos contra Maduro, enquanto seus guarda-costas acudiam.

Neste momento a rede estatal interrompeu a transmissão.

Em outro vídeo compartilhado nas redes sociais, vozes gritando "Maldito!" eram ouvidas enquanto o veículo que aparentemente transportava Maduro, ex-motorista de caminhão e líder sindical, tentava abrir caminho pela multidão.

Cinco jovens de 15, 17, 18, 19 e 20 anos de idade foram presos por lançar "objetos afiados" contra o veículo do presidente, de acordo com um relato de uma divisão local da Guarda Nacional visto pela Reuters na noite de terça-feira.

Nenhum outro detalhe veio a público de imediato. O Ministério da Informação não respondeu a um pedido de informações, embora dirigentes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) tenham dito no Twitter que Maduro foi saudado por uma multidão em San Félix.

Mas a oposição, que vem protestando há duas semanas para exigir eleições antecipadas, capitalizou o incidente, que viu como prova de que Maduro é profundamente desprezado devido à escassez de alimentos e à inflação cada vez maior.

"O DITADOR só precisa sair de Miraflores (palácio presidencial) para ver como as pessoas o repudiam!", tuitou o parlamentar opositor Francisco Sucre, do Estado de Bolívar, um de muitos comentários nas redes sociais.

O incidente rendeu comparações imediatas com o ano passado, quando as autoridades detiveram brevemente mais de 30 pessoas na ilha de Margarita por hostilizarem Maduro – um acontecimento raro, levando em conta que as aparições do líder socialista são coreografadas cuidadosamente e só mostram apoiadores entusiasmados de camisa vermelha.

Vídeos publicados na ocasião mostraram dezenas de pessoas batendo panelas e zombando de Maduro.

(Reportagem adicional de Brian Ellsworth e Diego Ore)

Reuters

 Reuters internacional