Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um helicóptero da polícia sobrevoa prédio da Suprema Corte em Caracas, na Venezuela. 27/06/2017 Cortesia da Caraota Digital/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Silene Ramírez e Eyanir Chinea

CARACAS (Reuters) - As sedes da Suprema Corte de Justiça e do Ministério do Interior da Venezuela foram atacadas na terça-feira com tiros e granadas jogadas de um helicóptero roubado da polícia, denunciou o presidente Nicolás Maduro, que chamou a ação de um ataque "terrorista" e "golpista".

Maduro interrompeu uma cerimônia do dia do jornalista para informar sobre o acontecido, e disse que forças especiais foram mobilizadas na busca do piloto e do grupo que sequestrou a aeronave do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC).

A partir do helicóptero foram disparados 15 tiros contra a sede do Ministério do Interior, no centro de Caracas, onde várias pessoas assistiam a um evento social.

Depois, foram lançadas quatro granadas contra a sede da Suprema Corte, onde estavam reunidos magistrados, segundo detalhes divulgados posteriormente em um comunicado. Não há relato de feridos.

"Havia na Suprema Corte de Justiça uma atividade social, poderiam ter causados várias dezenas de mortes ou lesões, uma tragédia", disse Maduro ao condenar o ataque.

(Reportagem adicional de Eyanir Chinea, Diego Oré, Deisy Buitrago, Girish Gupta, Andrew Cawthorne e Andreina Aponte)

Reuters