Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante sessão da Assembleia Nacional Constituinte, em Caracas 07/09/2017 Palácio de Miraflores/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Deisy Buitrago e Corina Pons

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na quinta-feira que seu país tentará se "libertar" do dólar norte-americano na próxima semana, usando o mais fraco de dois regimes oficiais de câmbio e uma cesta de moedas.

Maduro estava se referindo a taxa Dicom de câmbio oficial da Venezuela, na qual o dólar compra 3.345 bolívares, de acordo com o Banco Central.

Na taxa oficial mais forte, um dólar compra apenas 10 bolívares, mas no mercado negro o dólar consegue 20.193 bolívares, uma divergência da taxa oficial que economistas dizem ter estimulado a corrupção.

Mil dólares da moeda local comprados quando Maduro assumiu o poder em 2013, valeriam agora 1,20 dólares.

"A Venezuela irá implementar um novo sistema de pagamentos internacionais e criar uma cesta de moedas para nos libertar do dólar", disse Maduro a um novo órgão legislativo, sem fornecer detalhes sobre o novo mecanismo.

"Se eles nos perseguirem com o dólar, nós vamos usar o rublo russo, o iuan, o iene, a rúpia da Índia, o euro", disse Maduro.

A nação rica em petróleo está passando por uma grande crise econômica e social, com milhões sofrendo com a escassez de alimentos e remédios e com o que acredita-se ser a inflação mais alta do mundo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters