Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Andrew Cawthorne

CARACAS (Reuters) - Desafiando a pressão externa e interna, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse no domingo que será mantida a eleição no próximo fim de semana do polêmico novo Congresso, que seus inimigos dizem vai institucionalizar a ditadura.

"A direita imperial acredita que pode dar ordens à Venezuela, os únicos que dão ordens aqui são as pessoas", disse Maduro em referência a uma ameaça do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de impor sanções econômicas se a votação não for abortada.

"Dentro de uma semana, os venezuelanos vão votar para uma Assembléia Constituinte", acrescentou o líder esquerdista em seu programa de TV semanal.

A oposição da Venezuela tem protestado nas ruas desde abril contra o impopular Maduro a quem acusa de destruir a economia da nação produtora de petróleo e esmagar a democracia.

Os oponentes estão boicotando a votação para a Assembléia Constituinte, que eles veem como uma farsa destinada a garantir a maioria de um governo com apoio popular minoritário, e exigem eleições livres convencionais, inclusive para um novo presidente.

A União Europeia e as principais nações da América Latina também manifestaram sua oposição à constituinte, que terá o poder de reescrever a constituição da Venezuela de 1999 e sobrepor outras instituições.

"Precisamos do apoio de outras democracias para evitar a transformação em outra Cuba", disse Julio Borges, que comanda a Assembléia Nacional liderada pela oposição e que as autoridades dizem será substituída pelo novo órgão constituinte de Maduro.

Os líderes da oposição estão planejando uma semana de protestos, incluindo uma greve nacional de dois dias na quarta e na quinta-feira. Maduro diz que os opositores são "terroristas" trabalhando para Washington para tentar controlar o petróleo da Venezuela.

Mais de 100 pessoas morreram em quatro meses de turbulência e centenas foram feridas e presas.

Em seu longo programa de TV, Maduro exortou a oposição a deixar os venezuelanos votarem em paz no próximo domingo, mas também disse que serão criados centros eleitorais especiais para acomodar aqueles que forem bloqueados por "fascistas" em seus locais de votação.

Transporte será fornecido gratuitamente para maximizar a participação, acrescentou Maduro.

"Eles não me derrubaram nem vão me derrubar", disse ele.

Reuters