Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Motos de forças de segurança em chamas durante protesto contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

(reuters_tickers)

Por Diego Oré e Andrew Cawthorne

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, prometeu na quinta-feira realizar um referendo sobre a nova Constituição que propôs para tentar conter dois meses de manifestações antigoverno e a instabilidade no país, que mataram ao menos 62 pessoas.

A promessa do presidente veio a público depois de críticas de opositores e algumas de dentro de seu próprio governo, segundo as quais seu plano para criar uma Assembleia Constituinte para reescrever a Carta Magna é antidemocrático.

A Procuradora-Geral da Venezuela, Luisa Ortega, disse que criar tal organismo sem um plebiscito, como aconteceu em 1999, quando o antecessor de Maduro, Hugo Chávez, reescreveu a Constituição, ameaçava "eliminar" a democracia na nação

Maduro disse na televisão estatal: "Irei propô-lo explicitamente: a nova Constituição terá um referendo de consulta, então é o povo quem diz se está de acordo ou não com a nova e fortalecida Constituição".

Não houve reação imediata da oposição venezuelana, que hoje conta com apoio majoritário depois de anos à sombra do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), cuja popularidade despencou em meio à crise econômica brutal.

Os opositores devem tentar transformar qualquer referendo em uma votação sobre o próprio Maduro, e vêm clamando para que a próxima eleição presidencial, marcada para o final de 2018, seja antecipada.

O governo disse que eleições para a nova Assembleia Constituinte serão realizadas no final de julho, mas líderes da oposição afirmaram que o processo foi distorcido para garantir uma maioria pró-Maduro. Não se informou quando o plebiscito será realizado.

Mais cedo, autoridades anunciaram que homens armados mataram um juiz envolvido na atribuição da pena do líder político preso mais conhecido da Venezuela, Leopoldo López.

O juiz Nelson Moncada, de 37 anos, foi baleado e seus pertences foram levados quando ele tentou fugir de uma barricada de rua na noite de quarta-feira no bairro de El Paraiso, em Caracas, cenário de confrontos frequentes, informou a Procuradoria.

Nesta semana ocorreram episódios de violência generalizados na capital venezuelana. Em diversas ocasiões forças de segurança dispersaram protestos de apoiadores da oposição que marchavam rumo a escritórios governamentais no centro, e os confrontos se estenderam noite adentro.

(Reportagem adicional de Andreina Aponte, Eyanir Chinea e Alexandra Ulmer)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters