Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Gustavo Dudamel durante concerto em Caracas 15/2/2014 REUTERS/Jorge Silva

(reuters_tickers)

(Reuters) - O maestro venezuelano Gustavo Dudamel, um crítico feroz do presidente Nicolás Maduro, disse nesta segunda-feira que uma turnê da Orquestra Jovem Nacional da Venezuela pelos Estados Unidos apoiada pelo governo foi cancelada, dizendo que a ação é de partir o coração.

Dudamel, de 36 anos e uma das celebridades mais conhecidas da Venezuela, não deu uma razão, mas o cancelamento segue crescentes críticas feitas pelo maestro às táticas do governo para reprimir protestos.

“Cancelamento de partir o coração de nossa turnê de 4 cidades NYOV US. Meu sonho de tocar com estes incríveis jovens músicos não pôde se realizar desta vez”, publicou Dudamel no Twitter.

“Nós iremos continuar a tocar e lutar por uma Venezuela melhor e um mundo melhor”, acrescentou.

O jornal venezuelano El Nacional relatou durante o fim de semana que a ordem de cancelamento veio do gabinete da Presidência venezuelana. Não houve confirmação oficial sobre a reportagem.

Dudamel é o diretor artístico da orquestra jovem, cujos 180 membros iriam tocar em quatro datas nos Estados Unidos em setembro, incluindo no Hollywood Bowl. O intenso jovem maestro também é diretor artístico da Filarmônica de Los Angeles.

Dudamel se pronunciou fortemente nos meses recentes em apoio às manifestações antigoverno que abalaram a Venezuela por quatro meses, deixando mais de 120 mortos, incluindo um músico de 18 anos da orquestra jovem.

Em um artigo de opinião publicado em julho no New York Times, ele disse que venezuelanos estavam “desesperados pelo reconhecimento de seus direitos iguais e inalienáveis e para terem suas necessidades básicas atendidas”.

(Reportagem de Jill Serjeant)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters