Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por A. Ananthalakshmi

KUALA LUMPUR (Reuters) - Mais de 100 estrangeiros morreram nos últimos dois anos nos centros de detenção de imigrantes da Malásia devido a doenças e causas desconhecidas, de acordo com documentos da Comissão Nacional de Direitos Humanos do país vistos pela Reuters.

O saldo, que não havia sido revelado anteriormente, se baseia em dados do departamento de imigração malaio fornecidos à comissão, que é conhecida pela sigla Suhakam. Houve 83 mortes em 2015 e ao menos 35 até 20 de dezembro de 2016.

Não ficou claro se o saldo de mortes é maior do que o de países vizinhos. Autoridades dos governos da Indonésia e da Tailândia disseram à Reuters que não divulgam tais números.

Mais da metade dos 118 mortos são de Mianmar, origem de dezenas de milhares dos refugiados que vão para a Malásia, incluindo muçulmanos rohingya fugindo da perseguição das autoridades de Mianmar e de sua população majoritariamente budista. A quantidade de baixas de rohingyas nos campos é desconhecida.

O primeiro-ministro malaio, Najib Razak, vem criticando duramente o governo de Mianmar e a líder Aung San Suu Kyi desde uma operação repressiva de suas forças de segurança realizada em outubro que obrigou muitos rohingyas a fugirem pelas fronteiras, em meio a diversas alegações de assassinatos em massa e estupros coletivos praticados pelos soldados. Ele pediu uma intervenção estrangeira para deter o "genocídio" em Mianmar.

Reuters