Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

NIAMEY (Reuters) - Mais de 40 imigrantes do oeste africano morreram no deserto do Saara nesta semana após o caminhão em que estavam quebrar no árido norte do Níger, informou nesta quarta-feira a Cruz Vermelha à Reuters.

Seis sobreviventes caminharam até uma remota vila onde disseram que 44 pessoas, a maioria de Gana e Nigéria e incluindo três bebês e outras duas crianças, morreram de sede, disse Lawal Taher, chefe do departamento da Cruz Vermelha na região de Bilma.

A Reuters e autoridades do Níger não puderam confirmar imediatamente o número, mas Taher disse que a Cruz Vermelha informou a autoridades e que uma busca pelos corpos estava sendo realizada.

O número de imigrantes que cruzam o Saara tem aumentado nos anos recentes à medida que africanos ocidentais empobrecidos arriscam suas vidas para tentar chegar à Europa.

Em uma das partes mais perigosas da jornada, milhares de imigrantes a cada semana são abarrotados em picapes para o trajeto que dura dias do Níger até a Líbia, muitas vezes com espaço somente para alguns litros de água.

Autoridades e organizações de ajuda conseguem monitorar as milhares de mortes de imigrantes no Mar Mediterrâneo entre a África e Europa, mas é quase impossível saber quantos morreram no vasto Saara, sem controle policial.

No ano passado, um relato da 4mi, uma afiliada do Conselho Dinamarquês para Refugiados, informou que é mais provável que mais imigrantes morram no deserto do que no mar, de acordo com testemunhos de imigrantes.

(Reportagem de Boureima Balima)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters