Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem que supostamente seria Kim Jong Nam, meio irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, durante embarque em aeroporto no Japão. 04/05/2001 REUTERS/Eriko Sugita/File Photo

(reuters_tickers)

Por Joseph Sipalan e Rozanna Latiff

KUALA LUMPUR (Reuters) - Autoridades da Malásia disseram nesta terça-feira que ainda têm que determinar o que foi usado para matar o meio irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, e que o corpo ainda não foi identificado, já que nenhum parente se apresentou.

Kim Jong Nam foi morto no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur no dia 13 de fevereiro com o que a polícia acredita ser um veneno de ação rápida. O vice-primeiro-ministro malaio identificou a vítima como Kim Jong Nam, embora as autoridades não tenham conseguido realizar testes de DNA.

"A causa da morte e a identidade ainda estão pendentes", disse o doutor Noor Hisham Abdullah, diretor-geral de saúde do Ministério da Saúde da Malásia, aos repórteres.

O funcionário disse que não foram recebidas amostras de DNA de nenhum familiar.

Autoridades da Coreia do Sul e dos Estados Unidos disseram acreditar que agentes norte-coreanos assassinaram Kim Jong Nam, que morava no território chinês de Macau com a proteção de Pequim e estava afastado da família.

A Malásia pediu a parentes de Jong Nam que reivindiquem o corpo e ajudem com o inquérito, que provocou uma rixa diplomática com a Coreia do Norte, cujas autoridades querem que o corpo seja entregue diretamente.

Kuala Lumpur convocou seu enviado em Pyongyang depois que o embaixador norte-coreano na capital malaia questionou a imparcialidade da investigação da Malásia e afirmou que a vítima não era Jong Nam.

Na segunda-feira o embaixador norte-coreano, Kang Chol, disse que seu país "não pode confiar" na maneira como a Malásia está investigando o assassinato.

Respondendo nesta terça-feira, o premiê malaio, Najib Razak, repudiou os comentários do diplomata e reiterou que a investigação será justa.

"A declaração do embaixador foi totalmente desnecessária. Foi diplomaticamente grosseira. Mas a Malásia irá ficar firme", disse Najib aos repórteres.

As autoridades ainda não divulgaram um relatório da autópsia.

Reuters