Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem que supostamente seria Kim Jong Nam, meio irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, durante embarque em aeroporto no Japão. 04/05/2001 REUTERS/Eriko Sugita/File Photo

(reuters_tickers)

Por Joseph Sipalan e Liz Lee

KUALA LUMPUR (Reuters) - A polícia da Malásia fez uma terceira prisão em sua busca pelas pessoas envolvidas no assassinato do meio irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, nesta quinta-feira.

O terceiro suspeito, cuja nacionalidade não foi revelada, era íntimo de uma mulher indonésia que foi detida mais cedo por sua ligação com a morte de Kim Jong Nam no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur na segunda-feira, informou a polícia.

"Ele foi detido para facilitar as investigações, já que é namorado da segunda suspeita", disse Abu Samah Mat, chefe de polícia do Estado de Selangor, à Reuters.

A indonésia foi colocada sob custódia por sete dias, assim como outra mulher que portava um documento de viagem do Vietnã e que foi pega tentando deixar o país pelo terminal de embarque de voos baratos do aeroporto da capital malaia na quarta-feira, relatou a agência estatal de notícias Bernama.

Kim Jong Nam, de 46 anos, foi atacado no mesmo aeroporto na segunda-feira com o que se acredita ser um veneno de ação rápida quando estava prestes a embarcar em um voo para Macau.

Ele pediu ajuda, desmaiou e morreu a caminho do hospital.

Mais cedo, parlamentares da Coreia do Sul citaram a agência de espionagem do país, que suspeita que duas agentes norte-coreanas mataram Jong Nam, e fontes do governo dos Estados Unidos também disseram acreditar que assassinos da Coreia do Norte foram os responsáveis.

Kim Jong Nam havia se pronunciado publicamente contra o comando dinástico de sua família sobre o país detentor de armas nucleares, e também manifestou temor por sua segurança.

A agência de inteligência sul-coreana disse a parlamentares de Seul que o jovem e imprevisível líder norte-coreano emitiu uma "ordem permanente" para o assassinato de seu meio irmão e que houve uma tentativa fracassada de matá-lo em 2012.

Agentes norte-coreanos já mataram rivais no exterior anteriormente.

A indonésia estava sozinha ao ser presa, disse a polícia. Seu passaporte trazia o nome Siti Aishah, a data de nascimento de 11 de fevereiro de 1992 e o local de nascimento como Serang, Indonésia. O Ministério das Relações Exteriores indonésio disse ter solicitado acesso consular à detida.

A primeira suspeita presa tinha documentos de viagem em nome de Doan Thi Huong, data de nascimento de maio de 1988 e o local de nascimento como Nam Dinh, no Vietnã.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters