Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Destróier de mísseis teleguiados dos Estados Unidos USS John S. McCain visto após colisão, em Cingapura REUTERS/Ahmad Masood

(reuters_tickers)

CINGAPURA (Reuters) - A Marinha dos Estados Unidos confirmou a recuperação dos restos mortais dos 10 marinheiros mortos devido à colisão do navio de guerra John S. McCain com uma embarcação mercante em águas próximas de Cingapura e Malásia.

O destróier de mísseis teleguiados se chocou com o Alnic MC ao leste de Cingapura na semana passada quando se aproximava da cidade-Estado para uma escala de rotina.

"Mergulhadores da Marinha e dos Fuzileiros Navais dos EUA recuperaram os restos mortais de todos os 10 marinheiros do USS John S. McCain", disse a Sétima Frota em um comunicado.

Na quinta-feira, a Marinha havia anunciado a suspensão de operações de busca e resgate mais abrangentes depois de descobrir e identificar o corpo de um marinheiro.

A Marinha encontrou os restos mortais dos marinheiros desaparecidos dentro de seções lacradas do casco danificado do navio de guerra, que está atracado na Base Naval Changi, em Cingapura.

"O incidente está sob investigação para se determinar os fatos e as circunstâncias da colisão", acrescentou o comunicado.

Aeronaves, mergulhadores e embarcações da Austrália, Indonésia, Malásia, Cingapura e EUA se uniram à operação de busca e resgate ao longo de uma área de cerca de 5.500 quilômetros quadrados ao redor do local da colisão.

O quarto grande acidente da Frota dos EUA no Pacífico neste ano provocou uma revisão de suas operações. A Marinha dispensou o comandante da Sétima Frota, o vice-almirante Joseph Aucoin, citando "uma perda de confiança em sua capacidade de comandar" após a série de acidentes.

(Por Fathin Ungku)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters