Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Scott Malone

BOSTON (Reuters) - O Estado norte-americano de Massachusetts planeja se unir nesta terça-feira a uma batalha judicial contra as restrições de viagem impostas por um decreto do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a sete países de maioria muçulmana.

A procuradora-geral estadual, a democrata Maura Healey, considerou a ordem de Trump uma medida inconstitucional. Em uma postagem no Twitter, ela disse que seu gabinete irá se unir a uma ação civil em um tribunal federal questionando a proibição. No sábado, um juiz federal de Boston, que abriga o Aeroporto Internacional de Logan, impediu que o decreto de Trump seja aplicado durante sete dias.

"Estaremos nos juntando a uma ação civil questionando o decreto de imigração de Trump", disse a procuradora no Twitter. "O que ele fez foi inconstitucional e prejudicial (para Massachusetts)".

Massachusetts estaria seguindo o exemplo de Washington, que na segunda-feira disse que irá apresentar uma ação civil em uma corte federal desafiando a proibição com argumentos constitucionais.

O decreto presidencial impediu que pessoas com passaportes de Síria, Iraque, Irã, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen viajem aos EUA durante 90 dias e interrompeu o reassentamento de todos os refugiados por 120 dias. Em entrevista a uma emissora cristã no final de semana, Trump disse que dará preferência a sírios cristãos em busca de status de refugiados.

A Casa Branca descreveu a medida como necessária "para proteger o povo norte-americano de ataques terroristas de cidadãos admitidos nos Estados Unidos".

Milhares de pessoas foram às ruas e a aeroportos de grandes cidades do país durante o fim de semana para protestar contra a ação, que também causou uma reação negativa global, incluindo críticas de aliados dos EUA que a veem como discriminatória.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters