Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

NOVA YORK (Reuters) - O então imperador japonês Hirohito não vetou a decisão de seus conselheiros de declarar guerra aos Estados Unidos em 1941 por temer desencadear um conflito interno que destruiria seu país, disse o próprio em um relato ditado a um assessor.O documento manuscrito, que será leiloado em Nova York nesta quarta-feira, ajuda a esclarecer o papel do Japão na Segunda Guerra Mundial por registrar eventos que remontam aos anos 1920, como a determinação de Hirohito de não se opor a futuras decisões do gabinete, ainda que discordasse delas."Ele percebeu que, se quisesse estar no poder, tinha que fazer o que queriam", disse Tom Lamb, diretor do departamento de livros e manuscritos da casa de leilões Bonhams, à Reuters."E isso é um fato interessante, já que, ao longo do final dos anos 1930 e dos anos 1940, foram tomadas decisões militares que ele não podia contestar", explicou.Os leiloeiros estimaram um preço entre 100 mil e 150 mil dólares para o manuscrito, que consiste de dois cadernos marrons escritos a lápis e caneta por Terasaki Hidenari, intérprete e assessor do imperador, em 1946.

​ As memórias se encerram com a afirmação do imperador de que, se tivesse vetado a decisão de ir à guerra, isso teria resultado em um conflito civil que teria sido ainda pior, e que "o Japão teria sido destruído", disse a Bonhams em seu site.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters