Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

SÃO PAULO (Reuters) - O Mercosul suspendeu indefinidamente a participação da Venezuela no bloco comercial sul-americano, neste sábado, aumentado a pressão internacional para que o presidente Nicolás Maduro dissolva uma recém-criada Assembleia Constituinte e restabeleça a democracia.

Os chanceleres de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai anuciaram a decisão após uma reunião em São Paulo. Eles pediram a Maduro que liberte priosioneiros e dê início imediato a uma transição política.

"Parem com isso, chega de mortes, chega de repressão. Não é mais possível submeter o povo a esse tipo de tortura", disse o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, após o encontro, realizado na prefeitura de São Paulo. 

Não há no Mercosul previsão para a expulsão de membros. A Venezuela foi suspensa temporariamente em dezembro, por não se adequar às regras do bloco. A medida foi agravada depois da realização de uma polêmica eleição para formar uma Assembleia Constituinte, no domingo, bem como da prisão de líderes oposicionista. 

Diversos países condenaram a eleição, classificando-a com uma tentativa de prolongar o tempo Maduro no poder.

Embora a Venezuela tenha uma das maiores reservas de petróleo do mundo, milhões de venezuelanos têm sofridos com o desabastecimento de gêneros alimentícios e a inflação alta. Meses de sucessivos protestos contra o governo já levaram à morte de mais de 120 pessoas.

A entrevista coletiva com os chanceleres foi aberta pelo prefeito de São Paulo, João Doria, um dos nomes cotados no PSDB para a disputa presidencial em 2018. Doria manifestou solidariedade com os presos políticos na Venezuela e pediu o fim do que chamou de ditadura no país.

(Reportagem de Silvio Cascione)

((Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters