Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Merkel concede entrevista em Paris 13/7/2017 REUTERS/Gonzalo Fuentes

(reuters_tickers)

Por Andrea Shalal e Tuvan Gumrukcu

BERLIM/ANCARA (Reuters) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, criticou nesta terça-feira a detenção de ativistas dos direitos humanos na Turquia, incluindo um alemão, e prometeu trabalhar para sua libertação.

Uma das pessoas em prisão preventiva por suspeita de pertencer a uma organização terrorista é o diretor turco da Anistia Internacional, Idil Eser. A Anistia informou que verdade e justiça se tornaram “totais estranhos”.

Eser, o alemão Peter Steudtner e oito outros ativistas foram detidos neste mês enquanto participavam de um workshop sobre segurança digital próximo a Istambul.

Um procurador turco pediu a um tribunal na segunda-feira para estender a prisão pendendo julgamento por suspeitas de ligação com a rede do clérigo muçulmano Fethullah Gulen, que Ancara culpa pela tentativa de golpe do ano passado. O tribunal ordenou que quatro dos 10 fossem soltos, informou o jornal Hurriyet.

Em comentários não programados em uma cerimônia para atletas, Merkel disse que o caso é outro exemplo de pessoas inocentes “vítimas do sistema judiciário”.

Ela disse que a prisão de Steudtner foi absolutamente injustificada.

“Declaramos nossa solidariedade a ele e todos os outros presos... o governo alemão irá fazer tudo que pode, em todos os níveis, para assegurar sua libertação”. 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters