Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em coletiva de imprensa em Bruxelas, na Bélgica. 29/04/2017 REUTERS/Christian Hartmann

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira que a Europa não deveria simplesmente repelir a Turquia, apesar da preocupação com a concentração de poderes do presidente turco, Tayyip Erdogan, parecendo minimizar os rumores de que a Turquia já não aspira mais a entrar na União Europeia.

A principal autoridade europeia encarregada de lidar com a Turquia disse recentemente à Reuters que a Turquia se desqualificou para ingressar no bloco devido à repressão de Erdogan aos dissidentes, às suas acusações de "nazismo" contra a Alemanha e a um referendo que lhe concedeu novos e amplos poderes.

Mas em uma entrevista publicada no jornal Berliner Zeitung, Merkel disse que a Turquia é "um parceiro importante na luta contra o terror islâmico" e que é do interesse da UE e da Otan ter boas relações com Ancara.

"Não se deveria simplesmente repelir tal parceiro, mesmo em vista dos acontecimentos negativos que precisamos abordar", disse.

Indagada sobre as conversas a respeito da filiação à UE, Merkel se mostrou mais cautelosa, embora tenha reiterado que a Turquia irá cruzar uma linha vermelha com o bloco se retomar a pena de morte.

"Nós na Europa devemos debater conjuntamente que tipo de relacionamento futuro queremos com a Turquia", disse.

Muitos integrantes da conservadora União Democrata-Cristã (CDU), de Merkel, estão céticos com a entrada turca na UE, mas a chanceler vem argumentando há tempos que é importante conversar com Ancara, e não há nenhuma decisão final a respeito da filiação.

Merkel também rejeitou os clamores de alguns aliados conservadores para endurecer as regras para a dupla cidadania, que afetam muitas das 3 milhões de pessoas de origem turca que moram na Alemanha, uma questão que estará presente até a eleição parlamentar de 24 de setembro.

"A dupla cidadania não será um tema de campanha como foi em 1999", afirmou Merkel ao diário Koelner Stadt Anzieger em uma entrevista, referindo-se ao debate ocorrido antes de o país mudar as regras em 2000, facilitando a obtenção da dupla cidadania.

Há uma década o governo de Merkel vem debatendo a necessidade de uma integração maior da comunidade turca alemã, e a chegada de mais de um milhão de imigrantes nos últimos dois anos intensificou o debate.

(Por Madeline Chambers)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters