Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A chanceler alemã Angela Merkel durante cúpula em Berlim, na Alemanha 16/03/2017 REUTERS/Fabrizio Bensch

(reuters_tickers)

MOSCOU (Reuters) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, irá visitar Moscou para uma reunião no dia 2 de maio, anunciou o presidente russo, Vladimir Putin, nesta quinta-feira, confirmando a primeira viagem da líder alemã à Rússia em quase dois anos.

A agenda da visita de Merkel ainda não foi divulgada, mas é provável que as conversas se concentrem na crise ucraniana, nas sanções impostas pela União Europeia a Moscou, nos laços comerciais e nos temores alemães de que a Rússia possa tentar interferir em uma eleição no país em setembro.

Putin e Merkel se encontraram pessoalmente pela última vez em outubro do ano passado, em Berlim, para reuniões multilaterais sobre a Ucrânia.

A líder alemã, que disse que as sanções da UE devem continuar em vigor até que o Kremlin mude de comportamento, esteve em Moscou pela última vez em maio de 2015, para participar das comemorações do fim da Segunda Guerra Mundial.

"Envie minhas saudações à chanceler federal", disse Putin a Horst Seehofer, primeiro-ministro da Baviera que estava na capital russa para conversas nesta quinta-feira. "Estamos esperando sua visita em 2 de maio". Seehofer confirmou que Merkel planeja a visita para este dia.

Merkel vem desempenhando um papel crucial ao manter os países da UE unidos nas sanções contra a Rússia, que foram impostas devido à anexação russa da península ucraniana da Crimeia e por seu apoio aos separatistas do leste da Ucrânia.

Mas o governo de Merkel também vem sendo pressionado por lobbies industriais alemães poderosos que dizem que seus negócios vêm sendo afetados em decorrência das sanções.

(Por Jack Stubbs)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters