Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Chanceler Angela Merkel chega para cúpula da UE em Bruxelas 9/3/2017 REUTERS/Francois Lenoir

(reuters_tickers)

BERLIM/ISTAMBUL (Reuters) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pediu à Turquia que pare de invocar o passado nazista de Berlim ao criticar o cancelamento de eventos de ministros turcos em território alemão, e disse que fará todo o possível para evitar que os conflitos internos turcos se façam sentir em seu país.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, que sobreviveu a uma tentativa de golpe de Estado do Exército em julho, está trabalhando para conquistar os votos de compatriotas no exterior em um referendo marcado para 16 de abril que aumentaria seus poderes. Mas o envio de ministros para comunidades às vezes divididas está causando apreensão na Europa.

"Às muitas pessoas com raízes turcas que são cidadãs alemãs ou moram aqui há muito tempo, digo: vocês são parte do país", afirmou Merkel nesta quinta-feira. "Queremos fazer tudo que pudermos para evitar que possíveis conflitos internos turcos se transfiram para esta vida juntos (aqui)".

"Deixem-nos apoiar nosso modo de vida juntos e até melhorá-lo onde possível. Esta é uma questão do coração".

Mas alguns foram mais duros do que a chanceler. Andreas Scheuer, líder do partido bávaro aliado CSU, disse que "o ativista Erdogan e seus comparsas" não são bem-vindos na Alemanha.

A rixa a respeito dos cancelamentos se misturou a outros focos de tensão entre Ancara e seus aliados na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

(Por Madeline Chambers e Ralph Boulton)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters