Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Stephen Kalin

MOSSUL, Iraque (Reuters) - O minarete inclinado da Mesquita Grand-Al-Nuri, em Mossul, sobreviveu às conquistas dos mongois e dos otomanos, a negligência sob Saddam Hussein e ataques aéreos durante a Guerra entre Irã e Iraque e a invasão dos EUA em 2003.

Mas após três anos de Estado Islâmico, é agora pouco mais que uma pilha de pedras no centro de uma cidade destruída.

Os jihadistas manipularam a mesquita e sua torre de 850 anos com explosivos e os explodiram na semana passada, enquanto forças iraquianas avançavam a alguns passos do complexo.

Uma visita da Reuters ao local na sexta-feira, um dia após o exército iraquiano recapturá-lo, confirmou a extensão da destruição: o minarete de 45 metros al-Hadba havia sido reduzido a um toco, enquanto a cúpula verde era a única parte do salão de orações ainda em pé.

Combates ocorriam a alguns quarteirões de distância. As balas passavam pelo portão principal, o qual está em grande parte intacto, e um morteiro caiu em um prédio adjacente.

Abaixo da cúpula da mesquita em julho de 2014, o líder do Estado islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, discursou um sermão de sexta-feira, apresentando-se à frente de um califado moderno que abrangia porções de territórios os quais o grupo da filial da Al Qaeda acabara de tomar no Iraque e no vizinho Síria.

Reuters