Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Mianmar afirmou à agência de refugiados da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira que sua maior prioridade é trazer de volta os rohingyas que fugiram para Bangladesh, mas que é necessário muito trabalho para "consolidar a estabilidade" em sua conturbada região de Rakhine, no norte do país.

Também nesta segunda-feira Bangladesh e Mianmar concordaram em criar um grupo de trabalho para planejar a repatriação de mais de meio milhão de refugiados muçulmanos rohingyas que foram para Bangladesh para escapar da repressão do Exército, disse o ministro das Relações Exteriores bengalês.

Win Myat Aye, ministro da União e do Bem Estar Social, Alívio e Reassentamento de Mianmar, se dirigiu ao Comitê Executivo do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) depois que o diretor da agência, Filippo Grandi, pediu a resolução das questões relacionadas à cidadania e aos direitos dos rohingyas.

"Nossa próxima prioridade imediata é trazer de volta os refugiados que fugiram para Bangladesh", afirmou Win Myat Aye ao fórum de Genebra.

"O processo de repatriação pode começar a qualquer momento para aqueles que desejam voltar para Mianmar. A verificação dos refugiados será baseada no acordo (firmado) entre os governos de Mianmar e Bangladesh em 1993", disse.

"Aqueles que forem comprovados como refugiados deste país serão aceitos sem qualquer problema e com a garantia plena de sua segurança e seu acesso à dignidade humana".

A situação dos rohingyas continua indefinida em Mianmar, onde estes não têm direito à cidadania, são classificados como imigrantes ilegais e marginalizados e foram sujeitos a surtos de violência comunitária ao longo dos anos, apesar de reivindicarem raízes centenárias na nação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters