Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Refugiada rohingya após cruzar a fronteira entre Bangladesh e Mianmar de barco, em Shah Porir Dwip 11/09/2017 REUTERS/Danish Siddiqui

(reuters_tickers)

Por Shoon Naing e Wa Lone

YANGON (Reuters) - A China apoia a ofensiva de Mianmar contra insurgentes muçulmanos rohingyas, disse a mídia estatal de Mianmar nesta quinta-feira, depois que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) descreveu como "faxina étnica" a operação que obrigou quase 400 mil pessoas a fugirem para Bangladesh.

A ofensiva militar em Rakhine, Estado do oeste de Mianmar, foi desencadeada por uma série de ataques a postos policiais e a uma base do Exército em 25 de agosto, nos quais cerca de 12 pessoas morreram.

"A postura da China quanto aos ataques terroristas em Rakhine é clara, é só um assunto interno", disse o embaixador chinês, Hong Liang, a autoridades de alto escalão, nesta quinta-feira, segundo o jornal estatal Global New Light, de Mianmar.

"Os contra-ataques das forças de segurança de Mianmar contra terroristas extremistas e os empenhos do governo para fornecer assistência ao povo são muito bem-vindos", acrescentou.

Mas, na sede da ONU, em Nova York, a China adotou um tom diferente, unindo-se à expressão de preocupação do Conselho de Segurança a respeito dos relatos de violência excessiva e pedindo medidas imediatas para encerrá-la.

A China compete com os Estados Unidos por influência em Mianmar, que em 2011 começou a emergir de quase 50 anos de controle militar rígido e de isolamento diplomático e econômico.

No início desta semana, o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, pediu proteção para os civis.

A violência em Rakhine e o êxodo de refugiados são os problemas mais urgentes que a ganhadora do Nobel da Paz Aung San Suu Kyi enfrenta desde que assumiu como líder da nação no ano passado.

Suu Kyi deve discursar à nação na terça-feira.

Críticos pediram que ela perca o Nobel da Paz por não fazer mais para conter o conflito, embora a política de segurança nacional esteja nas mãos dos generais cuja junta administrava o país antes da transição para a democracia.

Na quarta-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, e o Conselho de Segurança exortaram Mianmar a pôr fim à violência, que ele disser ser melhor descrita como uma "faxina étnica".

"Se um terço da população rohingya teve que fugir do país, você poderia encontrar uma palavra melhor para descrevê-lo?", indagou ele em uma coletiva de imprensa em Nova York.

O governo diz estar visando "terroristas", mas os refugiados afirmam que a ofensiva almeja expulsar os rohingyas de Mianmar, país de maioria budista.

(Reportagem adicional de Simon Lewis, em Cox's Bazar; Ruma Paul, em Daca; e Michelle Nichols, em Nova York)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters