Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Lauren Coria-Avila e sua filha Sielh Avila observam o nascer do sol, enquanto esperam pelo eclipse solar em Guernsey, Wyoming, nos Estados Unidos 21/08/2017 REUTERS/Rick Wilking

(reuters_tickers)

Por Steve Gorman e Irene Klotz

SALMON, Idaho/MURPHY, Carolina do Norte (Reuters) - Milhões de norte-americanos munidos de óculos de proteção estão se posicionando ao longo de uma faixa estreita de terra que corta o país diagonalmente para acompanhar o primeiro eclipse solar total que será visto de costa a costa em quase um século.

Depois de semanas de expectativa, a visão da sombra da lua passando diretamente diante do sol e bloqueando tudo, menos seu halo, atrairá uma das maiores plateias da história humana, dizem especialistas.

Quando se incluírem aqueles que assistirão nas mídias convencionais e nas redes sociais, o espetáculo provavelmente quebrará recordes.

Cerca de 12 milhões de pessoas moram na zona de 113 quilômetros de largura e 4 mil quilômetros de extensão na qual o eclipse solar total será visto nesta segunda-feira, e milhões mais viajaram para apreciá-lo.

Murphy, cidade da Carolina do Norte situada nas Montanhas Great Smoky, cerca de duas horas ao norte de Atlanta, é uma de centenas de localidades pequenas que estão se preparando para um grande influxo de visitantes.

"A previsão do tempo para segunda-feira é ótima, provavelmente sem uma nuvem no céu o dia todo", disse Dave Vanderlaan, paisagista aposentado de 61 anos, no domingo. "Estamos ocupados, mas amanhã qualquer um em Atlanta que diga que quer ver o (eclipse) total virá a esta área, então pode ficar uma loucura".

O fenômeno começara às 10h15 (14h15 no horário de Brasília) na costa oeste perto da Baía de Depoe, no Oregon, e terminará cerca de 94 minutos mais tarde, às 14h49 da costa leste (15h49 no horário de Brasília), perto de Charleston, na Carolina do Sul.

A última vez em que tal espetáculo ocorreu do Pacífico ao Atlântico foi em 1918. O último eclipse solar total visto em qualquer parte dos EUA aconteceu em 1979.

Na Baía de Depoe, uma cidade de cerca de 1.500 pessoas, os céus claros de domingo criaram a esperança de que o halo será visível, e não obscurecido pela neblina litorânea ou por nuvens.

Lisa Black, de Vancouver, no Canadá, disse que ela e seu grupo planejam tomar o café da manhã na praia e ficar a postos com seus óculos.

"E sim, será demais poder olhar para o oceano e ter toda aquela abertura quando ficar totalmente escuro", disse.

Para milhões de outros que não poderão estar lá, um eclipse solar parcial será visto em toda a América do Norte se não houver nenhuma cobertura local de nuvens.

(Reportagem adicional de Jane Ross, na Baía de Depoe)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters