Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Moradores protestam contra presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila, em Kinshasa. 20/12/2016 REUTERS/Equipe

(reuters_tickers)

LUANDA (Reuters) - Milhares de pessoas fugiram dos combates na República Democrática do Congo durante o último mês e buscaram refúgio na vizinha Angola, consumindo os recursos dos vilarejos ao longo da fronteira, disse um governador provincial.

O governador Ernesto Muangala disse que as autoridades contaram mais de 20 mil refugiados em sua província, Lunda Norte -- quase o dobro do número registrado um mês atrás.

Todas fugiam do conflito entre o governo congolês e milícias surgidas na província de Kasai Central, em julho, que depois se espalhou por mais quatro províncias.

Os confrontos representam a ameaça mais séria já vista ao governo do presidente Joseph Kabila, cuja recusa em deixar o cargo ao final de seu mandato constitucional em dezembro foi acompanhada por uma onda de assassinatos e desordem em toda a nação do centro da África.     

Muangala disse que os refugiados serão levados dos vilarejos superlotados a um campo de refugiados em Lovua, cerca de mil quilômetros ao leste da capital Luanda.

"Angola está apoiando os refugiados para garantir a segurança até a situação estar normal e (estes poderem) voltar às suas famílias no país", disse ele à estação de rádio nacional RNA.

(Por Herculano Coroado)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters