Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Israelenses protestam em Tel Aviv em solidariedade a moradores de comunidades do sul de Israel, que têm sido alvejadas por foguetes palestinos, nesta quinta-feira. 14/08/2014 REUTERS/Baz Ratner

(reuters_tickers)

Por Allyn Fisher-Ilan

TEL AVIV (Reuters) - Cerca de 10 mil israelenses protestaram nesta quinta-feira em uma praça de Tel Aviv contra o que veem como um fracasso da guerra de cinco semanas na Faixa de Gaza para conter definitivamente os disparos de foguetes e morteiros contra cidades do sul do país que fazem fronteira com o território costeiro palestino.

Muitos manifestantes foram de ônibus das regiões de Israel mais atingidas pelos lançamentos recentes e tiveram a adesão de apoiadores do importante centro comercial israelense, que também foi alvo dos foguetes diariamente desde 8 de julho.

Duas tréguas consecutivas desde segunda-feira, que devem durar até 19 de agosto, silenciaram a maioria das armas na esteira das mortes de 1.945 palestinos, a maioria civis, e 64 soldados e três civis israelenses.

Mas os manifestantes temem ver uma nova irrupção das hostilidades assim que o cessar-fogo terminar, e muitos acham que os militares de Israel deveriam destruir o arsenal de foguetes dos militantes do Hamas, um grupo que domina Gaza.

Alguns se queixavam de se sentirem traídos pelo governo do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que prometeu que a guerra restauraria a calma ao sul do país, além de demolir os túneis subterrâneos vistos como plataformas de lançamento de futuros ataques.

"Estamos cansados de promessas", exclamou Alon Davidi, prefeito de Sderot, uma das cidades mais atingidas pelos mísseis de Gaza, de um pódio na praça Yitzhak Rabin, a principal de Tel Aviv e batizada em homenagem ao premiê assassinado no local em 1995 por um israelense de extrema direita contrário às negociações de paz.

Reuters