Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Crianças muçulmanos rohingya cruzam a fronteira entre Bangladesh e Mianmar REUTERS/Mohammad Ponir Hossain

(reuters_tickers)

COX'S BAZAR, Bangladesh (Reuters) - Mais de 18 mil muçulmanos rohingya, muitos doentes e alguns com ferimentos de bala, fugiram dos piores incidentes de violência nos últimos anos no noroeste de Mianmar, e mais milhares estão retidos na fronteira com Bangladesh ou se esforçando para alcançá-la.

A série de ataques coordenados cometidos por insurgentes rohingya contra forças de segurança em Rakhine, Estado do norte de Mianmar, na sexta-feira, e confrontos posteriores desencadearam o êxodo dos rohingya, enquanto o governo retirou milhares de budistas de Rakhine.

Desde os ataques, cerca de 18.445 rohingya --na maioria mulheres e crianças-- se registraram em Bangladesh, informou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) nesta quarta-feira.

"Eles estão em uma condição muito, muito desesperadora", disse Sanjukta Sahany, que dirige o escritório da OIM em Cox's Bazar, cidade do sul próxima da fronteira.

"As maiores necessidades são de alimentos, serviços de saúde e eles precisam de abrigo. Eles precisam ao menos de alguma cobertura, um teto sobre suas cabeças".

Sahany disse que muitos atravessaram a divisa "com ferimentos de bala e queimaduras" e que os agentes humanitários relataram que alguns refugiados "estavam com o olhar vazio" quando foram entrevistados. "As pessoas estão traumatizadas, o que é bem visível".

A Organização das Nações Unidas (ONU), embora tenha condenado os ataques militantes, está pressionando Mianmar a proteger as vidas dos civis sem discriminação e apelou para que Bangladesh acolha os fugitivos da contraofensiva militar.

Ao menos 109 pessoas foram mortas nos confrontos com insurgentes, diz Mianmar, a maioria militantes, mas também membros das forças de segurança e civis.

O tratamento dos cerca de 1,1 milhão de muçulmanos rohingya em Mianmar é o maior desafio enfrentado pela líder nacional Aung San Suu Kyi, que vem sendo acusada por críticos ocidentais de não se posicionar a respeito de uma minoria que vem se queixando de perseguição há tempos.

Os rohingya não têm direito a cidadania em Mianmar e são vistos como imigrantes ilegais, apesar de reivindicarem raízes de séculos no país.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters