Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funeral de vítimas de ataques do dia 7 de junho ao Parlamento do Irã e ao mausoléu do aiatolá Khomeini, em Teerã. 09/06/2017 TIMA via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Parisa Hafezi

ANCARA (Reuters) - Milhares de pessoas tomaram as ruas de Teerã nesta sexta-feira para chorar as mortes de 17 pessoas em dois ataques com bombas e armas de fogo na capital iraniana, e ecoaram as palavras do líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, acusando a rival Arábia Saudita de envolvimento nos atentados.

Pessoas na multidão, algumas chorando, entoavam "Morte à Arábia Saudita", ao lado do mais costumeiro "Morte à América" e de frases contra Israel, e tocavam os caixões envoltos em bandeiras e cobertos de flores.

Homens-bomba e atiradores mataram 17 pessoas no Parlamento do Irã e perto do mausoléu do aiatolá Khomeini, o fundador da República Islâmica, na quarta-feira, em ataques raros na capital que exacerbaram tensões regionais.

Os militantes sunitas do Estado Islâmico assumiram a responsabilidade dos ataques contra o Estado xiita.

Em uma mensagem lida no funeral, o líder supremo do Irã disse que as agressões irão aumentar o ódio contra a Arábia Saudita, maior potência sunita da região, e contra os Estados Unidos.

"Isso (os ataques) não irá prejudicar a determinação de nossa nação de combater o terrorismo... mas só irá aumentar o ódio contra os governos dos Estados Unidos e seus serviçais na região, como os sauditas", disse Khamenei.

Riad negou ter qualquer envolvimento.

A multidão entoou "Deus é maior", e algumas pessoas carregavam fotos de Khamenei com a legenda: "Estamos prontos para sacrificar nosso sangue por você".

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, um pragmático mais aberto a contatos com o Ocidente, compareceu ao funeral ao lado de outros clérigos e autoridades. Ele disse que os ataques visaram a paz e a democracia, mas não chegou a culpar potências estrangeiras.

Os atentados aconteceram em um momento particularmente tenso na região, dias depois de Riad e outras potências sunitas cortarem laços com o Catar, acusando-o de apoiar Teerã e grupos militantes.

Os ataques foram os primeiros reivindicados pelo Estado Islâmico dentro do altamente controlado Irã, uma das potências que lideram os combates contra os militantes no Iraque e na Síria.

Na quinta-feira, o ministério da Inteligência iraniano disse que cinco dos agressores eram cidadãos iranianos recrutados pelo Estado Islâmico que lutaram em suas principais frentes de batalha no Iraque e na Síria.

Nesta sexta-feira, a pasta informou que 41 suspeitos foram presos e todo o país por sua ligação com os ataques.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters