Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Protesto em Londres contra Trump. 30/1/2017. REUTERS/Dylan Martinez

(reuters_tickers)

LONDRES (Reuters) - Dezenas de milhares de pessoas protestaram em Londres e outras cidades britânicas contra o decreto do presidente norte-americano, Donald Trump, que proíbe a entrada nos Estados Unidos de refugiados e pessoas de sete países de maioria muçulmana.

Milhares de pessoas, algumas segurando placas com escritos como "No to Racism, No to Trump" ("Não ao racismo, não a Trump"), se uniram a um protesto nesta segunda-feira em Downing Street, onde fica a casa da primeira-ministra Theresa May, a primeira líder mundial a visitar o presidente Trump.

Alguns gritavam palavras contra May por seu convite a Trump para visitar o Reino Unido, enquanto 1,5 milhão de pessoas assinaram uma petição pedindo que a viagem planejada de Trump — que envolverá suntuosas demonstrações de ostentação da realeza e um banquete da Rainha Elizabeth — seja cancelada.

"É muito pior com Trump do que eu esperava, porque só se passaram 10 dias e ele já mudou tanta coisa", disse Rawnak Jassm, um anglo-iraquiano de 23 anos que se uniu ao protesto, à Reuters.

O decreto de imigração de Trump, que foi assinado poucas horas após sua reunião com a premiê britânica em Washington, azedou a tentativa de May de mostrar que o Reino Unido pós-Brexit pode ter um relacionamento especial com a potência mundial.

Alguns eleitores britânicos, incluindo milhares em protesto ao redor do Reino Unido, manifestaram preocupações de que May falhou em criticar Trump o suficiente por sua proibição temporária sobre viagens aos EUA por pessoas de Irã, Iraque, Síria, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen.

(Por Alistair Smout)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters