Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Protesto contra falta de segurança fornecida aos moradores na cidade de Parachinar, no Paquistão. 28/06/2017 REUTERS/Mohsin Raza

(reuters_tickers)

Por Dilawar Hussain

PARACHINAR, Paquistão (Reuters) - Dezenas de milhares de pessoas protestaram em uma cidade do Paquistão nesta quinta-feira para exigir melhor segurança, depois que um duplo ataque com bomba em um mercado local matou 75 pessoas, disseram autoridades e testemunhas.

Os cidadãos de Parachinar iniciaram uma ocupação pouco depois de as duas bombas explodirem na noite da sexta-feira passada, quando comerciantes compravam suprimentos para se prepararem para a interrupção do jejum em um dos últimos dias do mês muçulmano sagrado do Ramadã.

Uma facção do grupo militante sunita Lashkar-e-Jhangvi, que tem sede no Paquistão, assumiu a responsabilidade pelo ataque, realizado em uma cidade que abriga um grande número de membros da minoria xiita.

A multidão, já revoltada com o que vê como a incapacidade das autoridades para garantir a segurança, ficou ainda mais indignada pelo fato de a polícia ter matado três manifestantes a tiros para tentar manter a ordem.

As autoridades não confirmaram que os três manifestantes morreram, dizendo somente que estão investigando.

"Estamos cansados de recolher os corpos de nossa gente", disse Arshad Umerzai, ex-ministro do governo provincial.

Umerzai disse que o primeiro-ministro paquistanês e o chefe do Exército deveriam visitar Parachinar, que é próxima da fronteira com o Afeganistão, em resposta à violência que a localidade tem sofrido.

O premiê Nawaz Sharif anunciou uma indenização equivalente a 10 mil dólares às famílias de cada vítima das explosões e de 5 mil dólares para os feridos, o que os manifestantes rejeitaram dizendo que as vítimas de ataques em outro locais receberam mais, segundo uma testemunha.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters