Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Kylie MacLellan

LONDRES (Reuters) - O esforço da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico está matando os combatentes do grupo mais rapidamente do que a capacidade dele de substituí-los, disse um general britânico nesta quinta-feira, com mais de 45 mil mortos por ataques aéreos até agosto do ano passado.

Nesta terça-feira, as forças iraquianas apoiadas pelo Iraque continuaram a sua ofensiva em Mosul, onde milhares de militantes do Estado Islâmico, incluindo muitos que viajaram de países ocidentais para se juntar ao grupo, estão, acredita-se, localizados.

"Estamos matando o Daesh num ritmo que eles simplesmente não conseguem dar conta”, disse o general Rupert Jones, vice-comandante da coalizão Força Tarefa Conjunta Combinada, usando um termo árabe para se referir ao Estado Islâmico.

"O inimigo não pode suportar o desgaste que eles estão sofrendo, e, assim, eles perdem terreno, eles perdem batalhas.”

O principal comandante norte-americano no Iraque já havia dito neste mês que ele acreditava que as forças apoiadas pelos EUA iriam recapturar os principais redutos do Estado Islâmico, Raqqa, na Síria, e Mosul, no Iraque, nos próximos seis meses.

Jones declarou que, ao mesmo tempo que o confronto não estaria terminado com a queda de Mosul ou Raqqa, isso seria o início do fim.

"A inevitabilidade da destruição deles se torna simplesmente uma questão de tempo”, disse, acrescentando que os líderes do grupo estão agora mais focados na sobrevivência.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters