Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

SEUL (Reuters) - Promotores da Coreia do Sul prenderam a ministra da Cultura neste sábado, por suspeitas de abuso de poder ao criar uma lista de artistas e escritores críticos à presidente do país, Park Geun-hye, que sofreu impeachment.

Cho Yoon-sun tornou-se a primeira ministra que estava atuando no cargo a ser presa, disse a equipe da promotoria, antes de a ministra ter sido conduzida para interrogatório durante a tarde, recusando-se a falar com a imprensa.

Cho, de 50 anos, se ofereceu para renunciar, disse a agência de notícias Yonhap, acrescentando que o primeiro-ministro, Hwang Kyo-ahn, que assumiu a presidência enquanto o Tribunal Constitucional decide o que acontecerá com a presidente Park, aceitaria rapidamente seu pedido de demissão.

Um escândalo de corrupção que ainda está se desdobrando levou o parlamento a decretar o impeachment de Park no mês passado. Ela pode se tornar a primeira líder democraticamente eleita a ser removida do cargo se o Tribunal Constitucional mantiver o impeachment. 

Reuters