Navigation

Ministro alemão se diz otimista de que haverá vacina contra Covid-19 nos próximos meses

Ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, em Berlim 12/08/2020 Tobias Schwarz/Pool via REUTERS reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. agosto 2020 - 14:03

BERLIM (Reuters) - O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, disse nesta quinta-feira esperar que uma vacina para Covid-19 esteja disponível nos próximos meses e definitivamente no próximo ano, falando após a agência pública de saúde suspender um relatório que sugeria que a imunização estaria pronta no outono do Hemisfério Norte.

"Estou otimista de que nos próximos meses, e certamente no próximo ano, poderá haver uma vacina", disse Spahn à emissora ZDF.

Sua previsão parecia coincidir com um relatório que o Instituto Robert Koch divulgou na quarta-feira e depois suspendeu, no qual a agência de saúde pública informou que esperava uma vacina até o outono. Posteriormente, o instituto afirmou que o documento não estava atualizado e foi publicado por engano.

Spahn se recusou a citar um mês específico em que a vacina poderia estar pronta e disse que ainda não era possível determinar com que frequência as pessoas precisariam ser vacinadas ou qual seria a duração da imunidade conferida.

Ele acrescentou: "Mas uma coisa que podemos dizer é que, graças a todos nós trabalhando juntos --pesquisadores, cientistas, o público--, provavelmente teremos uma vacina mais rápido do que nunca na história da humanidade."

A ministra da Educação e da Pesquisa alemã, Anja Karliczek, disse anteriormente que era improvável que qualquer vacina estivesse amplamente disponível antes de meados do próximo ano.

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou na terça-feira que a Rússia se tornou o primeiro país a conceder aprovação regulatória para uma vacina para Covid-19 após menos de dois meses de testes em humanos.

Spahn repetiu seu ceticismo em relação à vacina russa, batizada de Sputnik 5, afirmando que ainda não havia testes amplos como com outras imunizações e que havia relativamente poucos dados sobre as doses russas.

(Por Thomas Escritt)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.