Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LONDRES (Reuters) - A Câmara dos Lordes do Parlamento britânico recebeu “uma mensagem muito poderosa” para aprovar a lei que dá início às negociações para a saída da União Europeia e não atrasar o cronograma da primeira-ministra, Theresa May, para deixar a União Europeia, disse um ministro do governo neste domingo.

Em entrevista à imprensa local, o líder da Câmara dos Comuns do Parlamento, David Lidington, disse que a Câmara dos Lordes, que não é eleita, deveria respeitar a decisão de deixar a União Europeia tomada no referendo do ano passado.

“O fato que o projeto de saída, o projeto de lei Artigo 50, chegou à Câmara dos Lordes com maioria de mais de 300 na Câmara dos Comuns e sem emendas... é uma mensagem muito poderosa aos lordes”, disse o ministro ao Andrew Marr Show, da BBC.

“É claro que eles são livres para propor e debater emendas...”, acrescentou.

May recebeu a aprovação da Câmara dos Comuns mais cedo este mês e a Câmara dos Lordes, onde seu Partido Conservador não tem maioria, deve começar a debater o projeto em 20 de fevereiro.

Dick Newby, o líder liberal democrata na Câmara dos Lordes, disse à Sky News que sua esperança para adicionar emendas - incluindo um pedido para um segundo referendo sobre um acordo final para o Brexit– não era uma tentativa de “bloquear” a legislação ou desacelerá-la.

Os liberais democratas também levaram adiante uma segunda emenda, que exigiria que o governo garantisse os direitos de cidadãos europeus que morem no Reino Unido e cidadãos britânicos residentes em outros lugares da UE.

Se as emendas passarem, o projeto modificado retornará para a Câmara dos Comuns para ser aprovado. O projeto pode ir e voltar até que cheguem a um acordo.

(Por Elizabeth Piper)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters