Reuters internacional

Ministro da Fazenda do Paraguai, Santiago Peña, durante entrevista com a Reuters em Luque. 30/03/2017 REUTERS/Jorge Adorno

(reuters_tickers)

ASSUNÇÃO (Reuters) - O ministro da Fazenda do Paraguai, Santiago Peña, renunciou ao cargo nesta segunda-feira para competir como candidato presidencial do partido governista nas eleições do ano que vem, representando o movimento do presidente Horacio Cartes.

Peña, que obteve a aprovação dos dirigentes partidários apesar de resistência das bases por sua pouca experiência política e falta de militância, se demitiu após sua apresentação oficial como candidato em um ato público no sábado.

"Minha renúncia termina uma etapa, mas abre um caminho amplo para o serviço de nossa pátria", disse Peña na carta de renúncia publicada na conta de Twitter de Cartes, que agradeceu Peña por ter "honrado" o cargo.

O presidente impulsionou a figura do ministro, um economista de 38 anos, após se retirar da corrida eleitoral na sequência de protestos violentos contra a reeleição que aconteceram no final de março, nos quais manifestantes incendiaram parte do Congresso.

Peña será substituído pela economista Lea Giménez, que estudou nos Estados Unidos e trabalhou para o Banco Mundial em Washington. Lea era vice-ministra de Economia desde março de 2016.

Com o apoio de Cartes, Peña terá que disputar a candidatura presidencial com outras figuras fortes de dentro do partido, em uma aposta ousada do presidente, que perdeu popularidade durante o debate sobre a reeleição.

(Reportagem de Daniela Desantis)

Reuters

 Reuters internacional