Reuters internacional

Manifestantes da oposição bloqueiam avenida em Caracas em protesto contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro 15/05/2017 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

CARACAS (Reuters) - Um adolescente venezuelano de 17 anos morreu nesta terça-feira depois de ser baleado na cabeça durante um protesto ocorrido no dia anterior, elevando para ao menos 40 o saldo de mortes de seis semanas de manifestações antigoverno no país.

O incidente aconteceu no Estado central de Barinas, berço do falecido presidente Hugo Chávez.

"Um grupo de pessoas chegou e começou a atirar, ferindo o jovem no cérebro", disse a Procuradoria Estadual.

O adolescente morreu em um hospital no início desta terça-feira.

A violência irrompeu em várias partes do país na segunda-feira, quando oposicionistas ocuparam locais se sentando no chão e bloquearam estradas na tentativa de manter o ímpeto de sua iniciativa para destituir o governo de Nicolás Maduro.

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas nas últimas semanas, revoltadas com a escassez de alimentos, uma crise médica e uma inflação em disparada.

Os manifestantes exigem eleições, a libertação de ativistas presos, ajuda humanitária estrangeira para amenizar a crise econômica e autonomia para a atual legislatura controlada pela oposição.

Maduro culpa a oposição pela crise do país e as mortes, que fizeram vítimas dos dois lados, e acusa seus adversários de tentarem depô-lo com um golpe com o apoio dos Estados Unidos.

Ao menos 90 pessoas foram presas em meio aos tumultos da segunda-feira, de acordo com um grupo local de direitos humanos.

(Por Girish Gupta e Corina Pons)

Reuters

 Reuters internacional