Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

HEGANG, China (Reuters) - O número de mortos no mais recente desastre em minas de carvão da China chegou a 92 neste domingo, informou a televisão estatal do país, enquanto diminuem as esperanças de que mais pessoas possam ter sobrevivido à explosão de gás numa mina localizada no nordeste da China.
A televisão chinesa disse que 528 trabalhadores estavam na mina em Hegang, na província de Heilongjiang, quando ocorreu a explosão nas primeiras horas do sábado, acrescentando que 420 haviam sido resgatados neste domingo.
Cerca de 16 mineiros permanecem presos ou desaparecidos, segundo notícias divulgadas no início da noite passada.
Autoridades levaram repórteres que estavam em Hegang para verem cerca de 20 equipes de resgate descendo por um túnel ainda tomado pela fumaça no momento em que se preparavam para limpar a área para sobreviventes e corpos.
Zhang Fucheng, autoridade responsável pelas equipes de resgate, disse à televisão chinesa que os trabalhos têm sido atrapalhados por túneis que desabaram e pela alta concentração de gás. As temperaturas durante todo o dia estavam próximas de zero.
A explosão foi o último grande acidente ocorrido na mais mortal indústria de mineração do mundo. A explosão foi tão violenta que prédios próximos ficaram parcialmente destruídos.
Alguns dos sobreviventes estão gravemente feridos.
"Quando vi meu marido completamente ensaguentado, não o reconheci num primeiro momento", afirmou Huang Guizhen, mulher do mineiro ferido Qu Zhongliang, informou o site de notícias da província de Heilongjiang (www.northeast.com.cn).
"Então o médico me disse que era meu marido e cai em prantos."
Comparados a outros trabalhados braçais, a mineração de carvão na China pode pagar salários relativamente altos, o que atrai trabalhadores e agricultores para túneis com mínima ventilação e segurança.
(Por Maxim Duncan; Colaborou Chris Buckley, em Pequim)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters