Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - Multidões de mulheres, muitas vestindo gorros rosa, ocuparam neste sábado o centro de Washington para uma manifestação contra o presidente dos EUA, Donald Trump, um dia após o republicano assumir o cargo.

Espera-se que o evento de Washington seja o maior de todos de uma série de manifestações que acontecem em todo o mundo, em cidades como Sydney, Londres, Tóquio e Nova York, e que tem como objetivo criticar a retórica populista do presidente.

Trump irritou muitos norte-americanos liberais com comentários vistos como degradantes para as mulheres, mexicanos e muçulmanos.

Na sexta-feira, a capital dos EUA foi abalada por violentos protestos contra o homem de negócios transformado em político, com ativistas vestidos de preto quebrando janelas, incendiando carros e lutando com policiais, que responderam com granadas de luz e som.

Os protestos ilustram o grau de irritação em um país profundamente dividido e que se recupera de campanha de 2016. Trump derrotou a democrata Hillary Clinton, a primeira mulher nomeada para presidente por um grande partido dos EUA.

"É importante que os nossos direitos sejam respeitados, as pessoas têm lutado arduamente pelos nossos direitos e o presidente Trump deixou claro que não os respeita", disse Lexi Milani, de 41 anos e proprietária de um restaurante de Baltimore, em um ônibus com 28 amigos.

O metrô de Washington emitiu um alerta de "atraso em todo o sistema por causa de multidões extremamente grandes". Ao menos uma estação estava fechada para novos passageiros devido à multidão na plataforma.

Os organizadores esperam a participação de centenas de milhares de pessoas.

((Tradução Reuters São Paulo 5511 5644-7757))

REUTERS LGG

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters