Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Agente de segurança em frente a hotel, depois de ataque a tiros durante festival de música, em Las Vegas 02/10/2017 REUTERS/Las Vegas Sun/Steve Marcus

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - Duas autoridades graduadas dos Estados Unidos disseram nesta segunda-feira que não há evidência de que o atirador que matou ao menos 50 pessoas em Las Vegas estivesse ligado a qualquer grupo militante internacional.

O Estado Islâmico emitiu um comunicado mais cedo através de sua agência de notícias reivindicando responsabilidade pelo ataque, dizendo que o agressor havia se convertido ao islã alguns meses atrás.

Entretanto, uma das autoridades dos Estados Unidos minimizou a reivindicação de responsabilidade do Estado Islâmico e disse que há motivos para se acreditar que o atirador, que a polícia identificou como Stephen Paddock, de 64 anos, tinha um histórico de problemas psicológicos.

Segundo uma autoridade, as agências de segurança dos Estados Unidos estão verificando a reivindicação do grupo militante, mas ainda não a verificaram.

(Reportagem de Mark Hosenball)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters