Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Avião sobrevoa Pequim em meio a neblina intensa. 02/01/2017 REUTERS/Jason Lee

(reuters_tickers)

PEQUIM (Reuters) - A densa fumaça de poluição que encobriu os céus no norte da China no fim de semana diminuiu nesta segunda-feira, normalizando os voos de chegada a Pequim, mas a expectativa é que o nevoeiro volte para a região nas próximas 24 horas.

Previsões meteorológicas nesta segunda-feira mostraram que a fumaça retornaria a Pequim e a Tianjin na terça-feira. A situação deve persistir até quinta-feira em Hebei, uma província densamente industrial que cerca a capital chinesa, assim como nas províncias de Henan e Shandong, à medida que o norte tenta lidar com as temperaturas bastante baixas de inverno. 

Autoridades têm emitido alertas de fumaça de poluição por todo o norte da China desde meados de dezembro, o que levou a ordens para que centenas de fábricas cortassem as produções ou simplesmente fossem fechadas. Também foram decretadas restrições para que motoristas diminuíssem as emissões de seus veículos.

Alertas de poluição são comuns no norte da China, especialmente durante o inverno, quando dispara a demanda por energia, em sua maior parte advinda de carvão.

Um índice de poluição que mede a concentração média de pequenas partículas respiráveis, conhecido como PM2.5, caiu para pouco mais de 100 microgramas por metro cúbico em Pequim nesta segunda-feira, ante mais de 500 na noite de domingo.

O nível de segurança recomendado de PM2.5 é de 10 microgramas por metro cúbico, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Nesta segunda-feira, o governo de Pequim manteve seu alerta para alta poluição e continuou a proibir que caminhões de construção pesada utilizassem as vias.

(Por Cheng Fang e Chen Aizhu)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters