Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vice-presidente do partido de extrema-direita francês Frente Nacional, Florian Philippot, em Lyon 05/02/2017 REUTERS/Robert Pratta

(reuters_tickers)

Por Ingrid Melander

PARIS (Reuters) - O braço direito da líder do partido francês Frente Nacional, Marine Le Pen, deixou o partido nesta quinta-feira, em uma decisão que abre caminho para mudanças de políticas da legenda de extrema-direita e revela a profundidade das disputas internas após a derrota de Le Pen na eleição presidencial francesa.

A saída de Florian Philippot, que por anos foi o assessor mais próximo de Le Pen e arquiteto essencial de esforços para melhorar a imagem do partido enquanto fazia campanha contra o euro, era vista como inevitável no momento em que a Frente Nacional discute quem foi responsável pelo fracasso no último ciclo eleitoral.

Sua partida deve permitir que Le Pen se concentre novamente em políticas sobre imigração e identidade nacional francesa, e talvez atenue seu tom contra o euro, que muitos dizem ter contribuído para sua derrota contundente no segundo turno da eleição presidencial deste ano.

Enquanto é provável que a saída de Philippot aumente a instabilidade dentro do partido em um primeiro momento, e que outros membros tenham dito que vão seguir sua decisão, a Frente Nacional já sobreviveu a crises semelhantes no passado, e analistas preveem que a legenda fará o mesmo desta vez.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters