Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Combatente de uma milícia armada exibe arma na cidade de Koui, na República Centro-Africana. 27/04/2017 REUTERS/Baz Ratner

(reuters_tickers)

BANGUI (Reuters) - Até 100 pessoas podem ter sido mortas em um dia de confrontos entre facções rivais em Bria, cidade de mineração de diamantes da República Centro-Africana, disse seu prefeito nesta quarta-feira.

"O número de mortes certamente irá aumentar. Por ora é uma estimativa e pode chegar a 100 mortos", disse o prefeito Maurice Belikoussou por telefone. "Ainda há mortos espalhados pelos bairros, na estrada e na vegetação", acrescentou.

A calma retornou à cidade nesta quarta-feira, e agentes humanitários estão recolhendo corpos, informou uma autoridade local da Cruz Vermelha.

Bria, capital da província de Haute-Kotto, é cobiçada por milícias devido às minas de diamante em seu entorno. Ao menos 22 pessoas foram mortas em confrontos no local no mês passado, disse a Organização das Nações Unidas (ONU), parte de uma escalada mais ampla de um conflito de muitos anos atiçado por rivalidades religiosas e étnicas.

Os embates de terça-feira acabaram com as esperanças de que um cessar-fogo entre mais de uma dúzia de milícias, assinado em Roma na segunda-feira, pudesse encerrar um conflito que já matou milhares e deslocou um quinto dos 5 milhões de habitantes da ex-colônia francesa.

A violência teve início em 2013, depois que rebeldes seleka majoritariamente muçulmanos depuseram o presidente François Bozize, provocando uma reação de milícias cristãs anti-balaka.

Rivalidades étnicas entre a minoria fulani de criadores de gado e outros grupos também alimentam o conflito.

         (Por Crispin Dembassa-Kette)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters