Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BEIRUTE (Reuters) - Ataques aéreos, possivelmente de aviões de uma coalizão militar liderada pelos Estados Unidos, mataram ao menos 30 pessoas nesta segunda-feira na província de Deir al-Zor, no leste da Síria, incluindo mulheres e crianças, disseram moradores e ativistas.

O porta-voz da coalizão, o coronel da Força Aérea dos EUA John Dorrian, confirmou que a coalizão liderada pelos EUA conduziu ataques aéreos nas proximidades da cidade de al-Bukamal, mas disse não poder “confirmar a veracidade das acusações de mortes civis”.

Ele disse à Reuters que a coalizão tentou evitar mortes civis em sua campanha de bombas contra militantes do Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

A cidade fronteiriça tem sido refúgio nos anos recentes para milhares de sírios deslocados de Aleppo e outras áreas, incluindo Iraque, onde seus moradores possuem fortes laços tribais pela fronteira.

Um ativista em contato com parentes em al-Bukamal disse que ao menos três casas foram achatadas no distrito residencial de Hay al Masriya e ao menos 30 pessoas, em maioria mulheres e crianças de seis famílias, foram mortas.

Um segundo ex-morador da cidade deu um número similar e disse que a quantidade deve crescer, com diversos casos críticos entre as muitas pessoas feridas.

A agência de notícias Amaq, que é afiliada aos militantes, divulgou um vídeo que diz mostrar danos extensos a uma série de casas dentro da cidade e membros das equipes de resgates cuidando de crianças.

Houve outras mortes em operações em diversos vilarejos próximos a al-Bukamal.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters